quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Caso Encerrado

Ontem, prisioneira de ardentes dúvidas. Hoje, nocauteada pela verdade. Com o passar dos anos, a interrogação cotidiana torna-se o alicerce de tolas fantasias. Entretanto, quando a realidade vem à tona em ritmo quase alarmante, a dolorosa constatação atinge um propósito lógico específico: fulmina todas as esperanças insensatas. 


(É a sedução da incerteza contra o esmagador impacto das concretas convicções.) 

Ele sempre soube o que eu não quis de modo algum enxergar - é impossível transpor os obstáculos que aniquilaram as nossas chances. Somente agora, percebo o quanto firo as suas necessidades, o quanto somos diferentes: a inquietação do verde dos meus olhos perturba a serenidade do castanho dos seus, o eco das minhas gargalhadas desagrada o seu sorriso contido e enferrujado, as minhas ações irrefletidas e efusivas destoam de suas atitudes suaves e equilibradas. Enfim, a minha violência ofende a sua brandura. 

(Acredite: o excesso de lucidez é capaz de massacrar uma relação.) 

A devastadora frieza de um encontro acidental provou que o tempo é um lento remédio para a sua insatisfação - as mágoas corrosivas serão as companheiras permanentes de nossa história. Contudo, é evidente que lidamos com a decepção de forma muito distinta: apesar de todas as avarias, ainda prefiro a desordem dos sentimentos à simetria das plastificadas emoções.

31 comentários:

  1. " prefiro a desordem dos sentimentos à simetria das plastificadas emoções."

    Olá Helena, faço minhas estas suas palavras:))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Legionário!
      É isso aí. Nada de economizar nas emoções, não é mesmo? ;)

      Beijo grande!

      Excluir
  2. Boa tarde!! Passando para conhecer o seu blog, gostei bastante! que texto maravilhoso, cheio de profundidade e reflexão.
    Tenha uma ótima quarta feira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Vanessa!
      Muito obrigada por sua visita!
      Volte sempre que puder.

      Beijão! =)

      Excluir
  3. Existem casos e casos, existem casos assim, outros não, uns por culpa própria, outros da outra parte...
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rui!
      Pois é... e, às vezes, por culpa de ambos ainda.
      Obrigada por sua visita.

      Beijinhos!

      Excluir
  4. Olá querida amiga,
    Acredito que toda relação tem os seus altos e baixos, alegrias e decepções, sorrisos e lágrimas tbm. É difícil avaliar se estamos no caminho certo, mesmo que seja com a pessoa errada. Só o tempo mesmo poderá nos esclarecer qual o caminho a ser seguido.
    Lindo o seu texto, ótima reflexão!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Alê!
      Ah, com certeza. Nem tudo são flores, afinal. Mas algumas relações não vão mesmo para a frente, independentemente de nossa vontade. Não tem jeito!

      Beijos, meu querido amigo!

      Excluir
  5. Passando rapidinho para te dar uma boa noite e retribuir sua visita. Meu dia hoje foi o nome do seu blog.Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Emilia!
      Então vou torcer para que você consiga colocar um pouquinho de ordem no caos. ;)
      Obrigada pela visita!

      Beijo grande!

      Excluir
  6. Troca de informações nas entrelinhas, com sentimentos ainda sem os nomes! beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ives!
      Por maior que seja o nosso esforço, alguns sentimentos permanecem inomináveis.

      Beijo grande!

      Excluir
  7. Helena...
    Como sempre me acontece ao ler seus posts, fiquei por um bom tempo pensando em que lado dessas equações eu me encontro. Pensei nos (des)caminhos que já trilhei e no que deixei pra trás e em minhas companheiras de viagem...
    Fui algoz ou vítima ou tudo foi uma questão de perspectiva?
    No fim, não importou muito quem partiu o coração de quem, nesses meus desencontros, pois eu sei que de um modo ou de outro, acabei cortando os dedos quando tentei pegar os cacos do chão.
    Obrigado...Pelo mergulho.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sahge!
      Você sabe o quanto adoro os seus comentários, não sabe? ;)
      Acho que para uma relação fracassar, sempre há erros de ambas as partes. Mas o fato é que depois de um tempo, nada disso mais importa - não há como recuperar o que ficou no passado. A insistência, muitas vezes, só eleva o nosso sofrimento.

      Beijos, meu querido.

      Excluir
  8. Amei o texto :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Helena,

    Você não se permitiu economizar nenhum grama de intensidade nessa frase: "apesar de todas as avarias, ainda prefiro a desordem dos sentimentos à simetria das plastificadas emoções". Ela veio na última linha, com vigor de síntese, de mote.
    Com esta frase na cabeça o único desfecho honesto era desenvolve-la, e você o fez.
    Gosto muito disso na sua escrita, você não foge das ideias (ou as deixa escapar), o diálogo ou enfrentamento com os passados e futuros possíveis sempre estão à mesa, às claras.

    Obrigado pela sua última visita lá no blog, gostei de você ter gostado do clip do Hugo Kant. Essa versão trip-hop da original indiana ficou mesmo muito impressionante.

    Até o próximo encontro com os tempos possíveis de nossas sensibilidades.

    Beijos,

    Dave.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dave!
      Você sempre me deixa muito feliz com as suas visitas e com os seus comentários. Os meus textos algumas vezes são tão ásperos que eu só posso agradecer a sua paciência em ler. Muito, muito obrigada!
      E é sempre um prazer te visitar, querido. Além de adorar os seus textos, eu jamais chegaria à determinadas músicas se não fosse por você. ;)

      Beijocas!

      Excluir
  10. Apesar de todas as suas duras constatações, é tão gostoso a gente se iludir um pouquinho, não é, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Geraldo!
      Ah, e como é.
      Mesmo sabendo que não passa de uma armadilha. ;)

      Que bom te ver por aqui!
      Beijão.

      Excluir
  11. Como sempre, uma ótima reflexão! É complicado quando as duas partes são tão diferentes, mas cabe às pessoas fazer aquilo funcionar ou não, né?
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabs!
      Com certeza. Você está totalmente correta... desde que ambos estejam dispostos a tentar. ;)

      Beijo grande!

      Excluir
  12. Respostas
    1. Olá, Rui!
      Obrigada! =)
      Tenha uma ótima semana.

      Beijão!

      Excluir
  13. Bom dia :)
    Como vai?
    "..Ainda prefiro a desordem dos sentimentos à simetria das plastificadas emoções."
    Que puta frase irada!

    Melhor demonstrar o que sentimos do que parecermos frios não é mesmo?
    Amei :)

    Beijos e se cuida
    www.rimasdopreto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandro!
      Muito obrigada! ;)
      Ah, eu concordo. Não adianta nada camuflar as emoções, afinal. ;)

      Beijos!

      Excluir
  14. Cada vez escreves melhor, lindona...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Von!
      Fiquei muito feliz com o seu retorno!
      Sentia a tua falta. =)

      Beijinhos!

      Excluir
  15. Olá Helena, você mesmo escreve seus textos? Que interessante! Blog original!

    Confira o meu blog: http://afelicidadesefabrica.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Talita!
      Certamente te farei uma visita.
      Muito obrigada.

      Beijos!

      Excluir
  16. Helena, como agora vou de férias, aproveito para desejar um Natal muito feliz com muito calor dentro e fora do coração:))

    ResponderExcluir

Se você conseguiu chegar até aqui é porque teve paciência suficiente para agüentar minhas insanidades. Prometo agüentar as suas também... Vai! Me diz aí o que você pensa.Tenho certeza de que vou adorar!